Ocupação de escritórios cresce 26% no primeiro semestre para cerca de 110 mil metros quadrados - Imobusiness

Skip links

Ocupação de escritórios cresce 26% no primeiro semestre para cerca de 110 mil metros quadrados

A ocupação de escritórios em Lisboa atingiu os 109.751 metros quadrados no primeiro semestre, o que significa um crescimento de 26% face ao mesmo período de 2018 (com 86.819 metros quadrados), revelou a JLL no último Office Flashpoint.

Neste desempenho, há a destacar a atividade de junho que contribuiu com mais de um terço da área colocada nos primeiros seis meses do ano, com um total de 39.219 metros quadrados.
Citada no comunicado, a diretora de Office/Logistics Agency and Transaction Manager da JLL, Mariana Rosa, realça que “no final de abril a ocupação estava 14% abaixo de 2018 e em maio acabou por nivelar-se, chegando agora ao final do semestre com a atividade a distanciar-se em alta de 2018, após um junho excecional”. Mariana Rosa explica que “esta inversão resulta da disponibilização de nova oferta no mercado, algo que já prevíamos. A procura existe e está a crescer, mas o mercado só conseguirá expandir-se com reforço do stock, como mostra este mês de fecho do semestre. Será esse o motor para o crescimento do mercado este ano.
Segundo o Office Flashpoint da JLL, em junho, a ocupação de escritórios cresceu 120% em termos mensais e 130% face a igual mês de 2018, registando a realização de 23 operações com uma área média de 1.705 metros quadrados. O desempenho do mês foi fortemente influenciado pela instalação da KPMG e da PLMJ no edifício FPM 41, um imóvel de promoção nova que veio reforçar o stock de escritórios no Prime CBD (zona 1).
No que se refere ao acumulado semestral, o mesmo relatório contabiliza 97 operações, com uma área média de 1.131 metros quadrados, sendo as zonas do Parque das Nações (24% da área ocupada) e do Prime CBD (23% do total) as mais dinâmicas. A Nova Zona de Escritórios é responsável por 19% da ocupação realizada no primeiro semestre. Em termos da procura, verificou-se um equilíbrio entre as empresas de “Serviços Financeiros” (com 24%), “Consultores e Advogados” (23%) e “Serviços a Empresas” (22%).