Almada recebe projeto Cidade da Água que requalifica as instalações da antiga Lisnave - Imobusiness

Skip links

Almada recebe projeto Cidade da Água que requalifica as instalações da antiga Lisnave

Depois de muitos avanços e recuos vai nascer, em Almada, a Cidade da Água, o projeto de requalificação da Margueira, onde funcionaram os antigos estaleiros navais da Lisnave.

O projeto vai avançar depois de se ter acordado a venda dos terrenos e a concessão da marina e do terminal fluvial a um investidor privado, sendo considerado a maior intervenção de requalificação urbana em Portugal depois da Expo-98.
Com base no modelo de venda do ativo pelo Estado prevê-se que seja o promotor, escolhido por concurso público, a financiar toda a infraestruturação, nomeadamente a construção de dois futuros equipamentos que vão continuar no domínio público, a marina e o terminal fluvial. Assim como a ligação à rede do Metropolitano Sul do Tejo e outros investimentos específicos de urbanização, como os arruamentos, redes de águas, esgotos e eletricidade.
A ‘Cidade da Água’ tem prevista uma área de construção de 630 mil metros quadrados, onde está incluído a construção de um parque habitacional, um hotel, uma marina, um terminal fluvial de passageiros, um museu e um centro de congressos.
As obrigações a cumprir pelo futuro promotor estão inscritas no Plano de Urbanização de Almada Nascente (PUAN), aprovado em 2009. O valor total de investimento não está ainda definido, sendo que se estenderá ao longo de mais de uma década e em função da procura do mercado. Mas estima-se que poderá ascender a mais de mil milhões de euros.
Segundo a administração da Baía do Tejo, empresa pública do universo Parpública, os terrenos que integram o projeto serão vendidos ao promotor enquanto os dois equipamentos fluviais, a marina e o terminal dos barcos para Lisboa e outros transportes públicos, serão explorados por esse investidor privado em regime de concessão.